quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Chuvas e Miséria

Essa é a época mais triste do ano em quase todo o Brasil.Milhares de pessoas estão morrendo soterradas pela avalanche das chuvas que tomam conta do país.O pior é que isso acontece todos os anos e a tristeza envolve milhares de famílias que não têm para onde ir. As autoridades anunciam que as pessoas devem sair sair de suas casas e a pergunta que não quer calar é: Para onde?

Será que depois de tantos anos não compreenderam que precisa ser feito um trabalho de prevenção? Meu Deus, será mesmo que a vida humana está banalizada a tal ponto que os responsáveis por este país não se preocupam com isso?

Será mesmo que não entendem que a vida é finita demais e precisa ser realizada alguma coisa para que nossos concidadãos não enfrentem esse desespero? E que cargo, poder e tudo mais que encanta as autoridades desse país, nada valem diante de uma vida humana?

Não basta a miséria, a fome, a violência, o preconceito, a insegurança? Não basta que a educação e a saúde estejam num patamar tão baixo a ponto de muitas pessoas não terem acesso a elas? Até que ponto querem martirizar os cidadãos desse país, trabalhadores que procuram educar seus filhos e viver uma vida miniamente digna?

Muita gente está morrendo, outras feridas e ainda outras sofrendo pela perda de suas casas, de suas coisas e acima de tudo dos entes queridos agonizantes e desesperados ali ao seu lado e que a impotência impede de salvá-los?

Uma vida humana é muito mais importante do que carnaval e Copa do Mundo. Nâo entendem isso? Não compreendem que não podemos ter paz sabendo que pessoas como nós estão desesperadas almejando pela dom mais precioso e legítimo que é a sua própria vida?

Sim vamos vibrar com a legítima festa folclórica de nossos país e com a vitória de termos conseguido a sede da Copa no Brasil. Mas antes disso precisamos olhar, lutar, gritar, pedir ajuda para essas milhares de pessoas e famílias que estão morrendo sem socorro e que interrompem nosso bem mais precioso que é a vida.

Quando assisto a essas reportagens sobre o que está acontecendo em consequência das chuvas, fico imaginando como sou egoísta nesse momento em que nos divertimos enquanto  pessoas morrem e a única coisa que desejam é sua casinha para abrigar a família e da qual estão sendo enxotadas pelo mau tratamentos de condições necessárias para que permaneçam lá.

A vida é uma só, todo o resto é possível reestruturar menos a presença nesse mundo depois que nossos olhos se fecharem.

O mundo inteiro está cada vez mais apaixonado pelo poder, pela fama, pelo dinheiro, esquecendo que nada vale, diante do curto espaço de vida que temos para usufuir, ser felizes e cumprirmos nossa missão e que está sendo abreviado pelo excesso de individualidade e indiferença, elementos letais que ultrapassam todos os bens do mundo.

Vamos novamente pedir às nossas autoridades que lembrem um pouco da vida daqueles que de uma forma ou outra dependem de sua competência e dedicação. É quase utópico falar dessa maneira, mas nós que escrevemos que podemos transmitir alguma coisa ainda temos esperança que as futuras gerações possam ser tocadas pelo dom da solidariedade, do amor e do entendimento que enquanto os seres humanos não se unirem a vida será amarga e e dolorosa.

Na minha opinião a corrupção, os gastos desmesurados e a exorbitância de valores gastos com propaganda seriam suficientes para a prevenção desses acidentes e naturalmente o atendimento das necessidades básicas do povo que sofre.
Vânia Moreira Diniz

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

SEGREDO



Tudo parece escuro hoje, enquanto faço uma tournée pelo meu próprio interior. Sinto vontade de aportar por lá até que melhore essa sensação estranha de desconforto.E prossigo sem sentir meus passos, mas certamente entendendo tudo que vejo com olhos surpresos de expectativa.

Recordo-me de parte da minha vida, tento captá-las com mais objetividade e prossigo querendo me sobrepor aos pensamentos que insistem em se fixar roubando ao meu momento a possibilidade de saber harmonizar os sentimentos e sensações.

A luz que se projeta dos lados como feixes a procurar um momento para expandir-se se retrai  ofuscada pela serenidade e silêncio desse momento . E já não encontra modo de se revelar.

Vou  prosseguindo em volta de mim mesma, sem muito entusiasmo mas sempre para frente, e então entendo que há ali um segredo que jamais quis usar, uma forma de me encontrar e sublimar certos acontecimentos: Um segredo que aprendi em  períodos contrastantes de minha marcha pela vida. E que me ajudaram a superar as intempéries.

Mesmo assim hoje está difícil e procuro no sorriso um elemento que me fará entender o quanto preciso me reciclar, apreciar com outros olhos, mudar valores enraizados, sentir em tudo que acontece a verdadeira razão de nosso desenvolvimento , fé e a certeza de um amanhã consolidado em esperanças.

Vejo muitos rostos que amei e que se foram, mas estão presentes na luz dos meus olhos, na sonoridade de minha voz, nos pensamentos mais rudimentares, nas lembranças que se perpetuam e que fazem o verdadeiro sentido da minha existência.

Sinto, entretanto que minha certezas estão abaladas incontestavelmente e me seguro indefesa e com medo de cair  num labirinto intenso que  não me deixará retroceder jamais.

E corro, desabalada então, totalmente enlouquecida, inexprimivelmente aturdida, dopada pelos pensamentos inconcebíveis que me dominam inexoravelmente.

È isso hoje, mas tenho certeza que o amanhã está vindo premente, colorido, sem sustos ou surpresas e delirantemente confiável. Estou aqui e o brilho das estrelas me levará ao paraíso da harmonia, paz e felicidade.
Longe, muito longe no horizonte da minha alma escondido entre sentimentos, doçuras e carinhos lá se encontra o segredo que carrego. Longe, muito longe, no húmus fertilizado de meu coração, na natureza conquistada ali, em meio a sementes abundantes, renasce todos os dias a fé na vida, o crédito nas sensações mais legítimas e  o sol esparzindo o fulgor que não desaparecerá jamais.
Vânia Moreira Diniz
Você também poderá gostar de:
Ocorreu um erro neste gadget