segunda-feira, 28 de novembro de 2011

ESTRANHOS CAMINHOS


Procurei aquela luz pelos caminhos,
Voando perseverante no espaço,
Sentindo sensações e muito carinho,
Mas jamais visualizando o fracasso.

Entendi a linguagem dos pássaros,
As sensações a me dominarem,
Muita saudade dos que me são caros,
E os sentimentos a transbordarem.

Percorri os limites da imaginação,
Andei de permeio com as emoções,
Compreendi toda a minha atração,
E encontrei-me em inúmeras reações.

Deparei-me com aquela paixão,
Lutei e reneguei tal sentimento,
E em mim repercutia só vibração,
Na intensidade desses momentos.

Quando por fim alcancei as estrelas,
Senti que delas me distanciava,
Compartilhei de estranhas sequelas
E meu corpo pela terra já ansiava.

Revigorei-me procurando aterrissagem,

Mas não encontrava o meu universo,
Queria novamente iniciar a decolagem
E deixar-me levar no caminho inverso.

Aspirava tudo e na verdade nada queria,

Pensava nos sonhos mais absurdos,
O que perto de mim estava eu nem via,
Mas desejava trilhar estranhos caminhos.
Vania Moreira Diniz

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

O brilho que surge a cada ano



Novembro, o mês que antecede à data mais comemorada do ano, polêmico pela própria essência entrou gloriosamente e já começamos a refletir em tudo que se passou.

Parece que o sol é mais luminoso e quente, as árvores frondosas dão a impressão de estarem vigorosas e emplumadas e o céu intensamente azul nos chama atenção. Ao mesmo tempo as crianças e famílias pobres trazem a tristeza não liberta de uma impotência que tira em parte o brilho do momento.

Tivemos todos nós acontecimentos tristes ou notícias vibrantes, contrastes que nos fizeram atônitos e ao mesmo tempo, incofessavelmente fascinados por esse mistério dentro do qual sentimos cada minuto desejando que ele se perpetue.

Já nem sei qual o momento mais alegre, sinto apenas que a primavera resolveu me brindar com sensações maravilhosas, compensadoras como segredar que o ano de 2011 valeu a pena pelo imprevisto, realização e felicidade que surgiu ainda mais firme e inesperado. Experimentando as emanações dessa estação misteriosa, sinto que o ideal de levar e divulgar o brilho de tantos talentos nos leva a continuar e seguir o caminho mesmo em épocas difíceis e incompreensíveis.

Como é bom sentir corações batendo uníssonos aqui dentro do Portal Vânia Diniz, enunciando o editorial que nos faz mais unidos, deixando nossos links nítidos e prontos para serem usados e divulgando textos, sites e páginas com um cuidado detalhista e com que ternura estamos todos juntos em cada linha que deixamos marcadas ali.

Isso aconteceu todas as semanas desse ano. Parece um trabalho simples, mas na verdade é a expressão de um amor e de intenso carinho, a certeza de vê-los divulgados na arte e na literatura, e isso nos transborda o peito de orgulho e felicidade.

Ali estão inseridos projetos de pessoas que cantam suas inspirações, representam ou compõem, lutam por ideais e se sacrificam no dia a dia por um mundo melhor e além de tudo notícias de utilidade pública que podem contribuir para o bem estar de todos nós. E por isso continuamos, sem interrupção, orgulhando-nos de todos os amigos unidos, em cooperação absoluta com o movimento do universo.

E agora novembro nos permite um retrospecto, lembranças que marcaram o ano de 2011 e sonhos para o um novo ano que esperamos seja ainda mais colorido.

Sofremos perdas de pessoas que partiram, vimos outras sofrerem e continuamos a lamentar vários acontecimentos dolorosos em nosso país. Mas tivemos dias de felicidade intensa, realizações e nesse mesmo momento sentimos antecipadamente a luz aquecida do sol de dezembro.

Atravessamos no mesmo ritmo muitos sonhos tendo a cumplicidade de todos os nossos leitores, artistas e escritores amigos que admiramos e enaltecemos.

Somos assim, seres humanos fascinados pelo que “há de vir” envolvidos sempre em maiores conquistas e admirando o brilho que surge a cada ano.
Vânia Moreira Diniz

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

MINHAS MÃOS


Transformo minhas mãos em dádivas,
Ocultando o que afaguei em silêncio,
Libertando-me do calor que transformou
Em brasas o que já dorme em minha alma.

Sinto nelas o poder intenso da carícia,
Que nas pontas dos dedos  escorre,
No sangue a latejar quente e célere,
Desenhando a escultura imaginada.

Minhas mãos que ritmadas desenham,
A imagem estranha que me transformou,
Em artista a elaborar fantasiosas miragens,
Já voam em busca da objetiva essência.

Encontro em seu toque o deleitoso prazer,
Tantas vezes em sensualidade transformado,
E a carícia simbolizada em energias,
Elabora na natureza seu poder de criação.

Minhas mãos encontram  a fortaleza,
No simples tato doce e poderoso,
Evocando  o vôo dos belos pássaros,
A procurarem no espaço  a liberdade.

 Vânia Moreira Diniz      

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Quero Viver


Quero esquecer do mundo o egoísmo,

Regozijar-me com qualquer alegria,

Gozar de todas as maneiras a felicidade,

Contemplando a beleza em total plenitude

E encontrar nos sentimentos a harmonia.

Quero poder trocar olhares de carinho,

Contemplar nas crianças  a meiguice,

Saber perdoar nas piores crises,

E entender minhas culpas silenciosas.

Quero olhar à minha volta com doçura,

Usufruir a vida em cada ínfimo instante,

Sentindo toda a esperança que  puder,

Nos acontecimentos pueris ou admiráveis.

Quero curtir as horas de irrefreada paixão,

Entendendo a suave linguagem do amor

E galgando sem entrave ilimitado prazer.

Quero, viver, amar, sofrer e soerguer-me,

Compreender a razão de todas as coisas,

Encontrar o rumo nas longas caminhadas

E poder encarar com fé a estrada pedregosa.

Quero entender a soberania do universo,

Render-me à energia que se desprende,

De cada criação da natureza gigantesca,

E respeitar o poder imenso do Criador.

Quero sentir fascínio e  deslumbramento,

Ter instantes de incontrolável sentimento,

Fazer da vitória uma glória suportável

E gozar sempre as sensações humanas.

                           Vânia Moreira Diniz
Você também poderá gostar de:
Ocorreu um erro neste gadget