quarta-feira, 2 de maio de 2012


Foto tirada em 30-04-2012
Texto escrito quando publicamos o Livro de Poemas para nossos pais- 2007

Falar de  CristinaArraes é sentir fortemente a presença de todos os caminhos que já percorri. Desde seu nascimento vendo-a tão pequenina poucos minutos depois de nascida quando meu pai levou meus irmãos e eu para ver a nenê que chegava. Eu que torcia por outra menina, pois tinha a meu lado cinco irmãos fiquei hipnotizada pela emoção. Amei-a incondicionalmente e para sempre.  Queria envolvê-la em abraços e beijos, mas senti que minha vibração era tanta que os adultos não deixavam que eu a segurasse naquele momento maravilhoso.

Depois a vi crescendo e não permitia que ninguém a magoasse mesmo no colégio quando os professores chamavam a atenção por qualquer motivo E assim foi sempre, mesmo quando muito jovem casei e saí de casa. As saudades eram grandes e profundas, mas estávamos sempre unidas pelo carinho na ternura de uma amizade que ia além de nossas palavras.


Mas não estou aqui para falar de minhas sensações, mas para apresentá-la nesse momento de muita alegria quando ela ingressa oficialmente no mundo da literatura.


Cris como eu a chamo, sempre teve tendência para matemática o que me fazia admirá-la ainda mais, pois essa matéria sempre foi para mim complexa e apavorante.
Quando a via dominar muito cedo os números e com uma facilidade extrema e até mesmo estudar sempre além do que no momento ensinavam, minha admiração aumentava. Formou-se em estatística e convence a qualquer pessoa que a matemática orienta seus projetos em todos os campos de sua vida, tal como acontecia como meu pai.

Galgando passos largos na profissão que escolhera e trabalhando como pesquisadora no Instituto Brasileiro de Geografia e estatística - IBGE, graduou-se em orientação educacional. Gostava de ler muito e continuamente desde garota ficando horas na biblioteca de meu pai onde descobria o sabor intenso da leitura.


Escrever era para ela como um complemento de sua curiosidade pelo mundo que observava com olhos abertos de menina encantada pelo que via à sua volta. Foi por essa razão que, quando levantei meu site, convidei-a a escrever mais continuamente e publicar seus textos numa coluna.


 Insisti no fato que não devia desperdiçar seu talento. E realmente seu português correto, cultura, imaginação fértil, tendência para o estudo de sociologia e filosofia, estilo fascinante e principalmente muita sensibilidade fazia com que cada vez mais se aperfeiçoasse nesse dom que já possuía sem considerar-se uma escritora. E foi isso exatamente que aconteceu em poucos meses há muitos anos: Uma talentosa escritora

Cristina possui uma obra em textos extremamente rica e um blog “Buscando a poesia” onde sua alma deixa transparecer todo o seu talento. Fizemos juntas depois que nossa mãe morreu o Blog irmãs-escritoras e nesse momento estamos lançando o e - book com poemas dedicados a nossos pais.

Antes de falar um pouco mais desse livro desejo declarar o quanto a vida de minha irmã está enriquecida não só pelo exercício de seu trabalho no Ibge e com a prática da literatura no dia a dia mas também pelo discernimento nobreza, generosidade e senso profundo de justiça e ética.  Não é pelo fato de ser minha irmã porque isso é algo que foi e sempre será um marco de felicidade em nossas vidas, mas pelo que observei sempre desde que ela nasceu. É algo que está enraizado em seu caráter e que constitui uma força que carrega em cada passo de sua estrada.

Atravessamos juntas momentos tristes ou alegres todos intensos e embora a Cris more no Rio compartilhamos todas as emoções que são naturais na vida. Cristina é uma mulher forte, guerreira e profundamente humana. Os obstáculos não a detêm porque sua força interior é incomensurável.

É essa escritora, transbordante de talento, vida e humanidade que apresento aos nossos leitores e seus textos expressam sentimentos, discorrendo com sagacidade sobre a complexidade da alma, falando com sabedoria das experiências que o ser humano passa.

 Isso me recorda em reminiscências muito ternas o dia em que nasceu e crescendo juntos, ela, eu e nossos irmãos na barulhenta Rua Barata Ribeiro em Copacabana, tão perto do mar que sempre amamos, compreendemos o quanto era importante ter uma família, cujas raízes cultivamos e agradecemos aos nossos pais o exemplo e todos os ensinamentos que nos legaram.

Maria Cristina, a Cris, minha irmã, companheira, confidente e amiga está nesse momento como em muitos em nossa vida como parceira do e-book que lançamos em homenagem a nossos pais e mais uma vez revelando seu extremo talento, já reconhecido por outros sites em justas  homenagens.

Cristina, a escritora, a poeta e o ser humano corajoso que eu conheço aqui está e juntas lembraremos momentos especiais de nossas vidas.

Vânia Moreira Diniz


 

Um comentário:

  1. Vânia querida
    Não conheço relacionamento mais bonito entre irmãs do que o de vocês. Vãnia e Cristina,parabéns pela belíssima amizade.
    Bejos mil
    Maizé

    ResponderExcluir

Você também poderá gostar de:
Ocorreu um erro neste gadget