terça-feira, 26 de março de 2013

Jesus, Deus ou Filósofo?


Jesus , Deus ou filósofo?



Imagino que Jesus além de seus dotes de beleza , perspicácia e uma intuição gerada pela inteligência incrivelmente privilegiada tenha sido o maior e verdadeiro filósofo da humanidade.


Mestre ele era pelo seu extraordinário poder de conduzir com evidente carisma os homens comuns, um líder em toda a expressão da palavra.


Parapsicólogo mais por intuição do que por qualquer pesquisa ou estudo, Jesus Cristo pode até ter sido o filho de Deus, mas antes de qualquer coisa, ele era o filósofo que impressionou e subjugou positiva e psicologicamente o mundo inteiro.


Injustiçado, incompreendido, traído em todos os aspectos foi também a vítima. E essa figura além de ser real torna-se motivo de devoção e fanatismo. Não que seja um fanatismo comum, desses que existem pelos artistas e pessoas que conseguiram celebridade, enquanto atuam ou estão relativamente presentes.


Muito mais do que esse poder transitório o Mestre foi a figura mais incomum já nascida em qualquer tempo.


Amor ele sabia proclamar pelo vulto impressionante, os olhos cuja expressão absorvente impressionava as pessoas em geral, a maneira singular de conduzir-se e os atos afoitos.


Com a mulher adúltera ou Maria Madalena ele sensibilizou pelo espírito de justiça inerente em suas ações e que suscita, sem dúvida alguma uma reação amistosa .


Ressuscitando os mortos, erguendo os injustiçados, gritando com os desrespeitadores do templo ou arremessando sua fúria contra os fariseus, Jesus era sempre a figura benéfica, amiga, justiceira que o mundo espera ver e aplaudir.


Filho de um carpinteiro, simples e comum e de uma mulher devota , nascido numa choupana de palha sem condições de quase sobrevivência o filho de Deus encontrou em sua história emocionante adeptos e seguidores.


Além disso, intrépido desde criança muitas vezes rude quando era necessário, piedoso e extremamente magnânimo com os pobres e não privilegiados o mestre encantava e ao mesmo tempo causava temor como qualquer gênio poderoso e literalmente extraordinário . Mas foi seu julgamento impiedoso, seu sofrimento lamentável, o caminho de martírio dramático e desumano que o tornaram o maior homem da humanidade, mesmo que não fosse Deus.


A doçura que ostenta nos momentos de maior aflição, seu perdão quando já quase morria , a meiguice no instante que só caberia revolta e dor, o amor pelos ladrões que a seu lado blasfemavam,o sentimento de compreensão enquanto via sua mãe e parentes sofrerem nos levam ao sentimento de respeito , ternura, e enorme admiração por esse homem extraordinário.


Quando foi negado três vezes por quem lhe jurara fidelidade como Pedro, tornando-o depois o chefe da Igreja ou seja seu substituto oficial; o perdão ao próprio Judas, e tudo que cercou seus trinta e três anos de vida fazem de Jesus o maior mártir que a humanidade conheceu.


Deus , carismático ou ambos ele foi, insisto em dizer principalmente além do mártir o maior filósofo que a humanidade conheceu, conhece e conhecerá em todos os tempos

Vânia Moreira Diniz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você também poderá gostar de:
Ocorreu um erro neste gadget