terça-feira, 5 de julho de 2011

RENASCIMENTO NA MADRUGADA


            Hoje abri meus olhos enquanto a cidade ainda dormia e sentindo a luz se infiltrando, através das frestas da cortina, pude fazer minhas costumeiras reflexões. Sobre a vida, meu modo de encará-las, erros e acertos em que me vejo tão frequentemente envolvida.

            Senti a vida, fremente a dizer-me da participação de cada ser humano e procurei entender o que realmente estava fazendo aqui, nesse mundo, ao qual queremos tanto nos agarrar. Avaliei meus enganos e acertos e fiz um retrospecto dos anos que já haviam passado.

              A impressão que eu tinha naquele momento, é que estava assistindo a um filme, cujas imagens não me eram totalmente desconhecidas, mas que em sua forma completa não conseguia relembrar.

              Vi a dança da vida, meus próprios passos hesitantes quando era tão pequena, a satisfação ou tristeza de cada momento e as reminiscências que se faziam profundamente presentes. Senti dor, mágoa, felicidade, amor, ternura e nas incompreensões que apareciam já pude julgar-me sem isenção.

               Entendi o quanto precisava para me aperfeiçoar, mesmo já tendo tido anos para trás, exemplos de vidas que passavam à minha frente, como modelos magníficos ou em circunstâncias não tão prazerosas, muitos dos quais já tinham se ausentado definitivamente.

                Pude sentir o quanto havia sido parcial comigo mesma e como precisava de forças para  enveredar por caminhos mais acertados, de mais amor  e tolerância, menos egoísmo, retirando esse individualismo que no fim de tudo, é o que nos faz sofrer.

                 Como se estivesse dentro de meu próprio inconsciente, fui notando as nuances de realização ou frustração e absorvendo com naturalidade, o que às vezes me fazia sofrer.E andando, procurando detalhes, me envolvi numa regressão interessante e ao mesmo tempo ansiosa.Assim mesmo, amei cada pedaço da minha vida.

                Resolvi ficar em silêncio absoluto durante um longo tempo, usufruir aquele momento de interiorização e lembrei-me  o quanto precisaria disso, para ressurgir plena e vigorosa. Durante longo período, fiquei, olhos fechados com as minhas imagens, meus segredos, pessoas que desfilavam encantando meu subconsciente, lamentando meu ego, dizendo-me dos meus defeitos, falando-me das minhas qualidades. 

                Então, surpreendida, pude provar das minhas próprias intolerâncias e tentar absorver os exemplos de vida que se passavam à minha frente. Quedei-me num instante de pensamentos, que se multiplicavam com força e rapidamente e então mais lentamente, detive-me em muitos pontos luminosos e outros escuros e quase impossíveis de alcançar.

                Tive medo de que não saísse daquela profundidade para a qual havia caminhado voluntariamente, medo do abismo que  experimentava, sem saber o que exatamente acontecia  e pude constatar lágrimas que desciam, sem que eu soubesse ao menos detê-las mas tão abundantes, que lavavam minha alma das eventuais manchas de egocentrismo e displicência em relação ao universo que me cercava.

                Lentamente, então, fui me retirando daquele transe voluntário e lembrando mais lucidamente do destino dos seres humanos em processo de vida e entendendo a profundidade dos sentimentos que ostentamos superficialmente.

                Ergui-me restaurada, pronta para o caminhar de cada dia, aceitando as ausências dos seres queridos e procurando receber com entusiasmo cada novo fato e fases diferentes, que se apresentassem em minha vida. Ergui-me, sem preconceito comigo mesma e enxergando através dos meus olhos a direção do meu próprio coração. Ergui-me pronta  a enfrentar o mundo, os acontecimentos ainda que chocantes, entender as alegrias profundas e ter a humildade de percebê-las em toda a sua grandiosidade.

               Era como se tivesse renascido naquele instante, para tomar as decisões que minha vida solicitava. Tinha renascido e estava pronta para viver da maneira mais coerente, todavia também mais prazerosa e legítima.Tinha renascido com esperança e sem sofrimentos, aceitando cada minuto que se apresentasse daquele momento em diante. Tinha renascido na madrugada convidativa e amena, que me recebeu silenciosa e conselheira
Vânia Moreira Diniz

5 comentários:

  1. Querida Vânia
    Bela madrugada que fez você renascer!!!!!
    Ótimo texto e ótimo exemplo para todos nóas.
    Beijos carinhosos
    Maizé (Maria Lindgren)

    ResponderExcluir
  2. Vaninha a caixa de Pandora abriu-se em plena madrugada deixando a mostra o mais terrível ( temível), como fostes ao fundo corajosamente, encontraste frente à frente com o tesouro; Esperança ; renascimento !
    Parabéns pelo rico texto de cunho autobiográfico mas que remete o leitor às suas próprias reflexões enquanto sujeito frente à suas angústias existenciais.
    afetuoso abraço, virgínia fulber NHamburgo, RS Br

    ResponderExcluir
  3. Querida Vânia
    estou amando seu ressurgimento.
    Maravilhosa crônica.
    Um exercício de vida e de mente.
    Obrigada por nos conceder esta experiência.
    Um abraço.
    Rida(Ridamar Batista)

    ResponderExcluir
  4. Vâninha minha querida....Que riqueza de texto! Força de espírito que impressiona!
    Um mergulho corajoso aos verdadeiros sentimentos que tão bem soube colocar em palavras!
    E eu fico aqui Admirada e feliz pela esperança que vi em teu renascimento
    Linda também a imagem que ilustra teu magnífico texto
    Grata sempre Poeta Ternurinha!

    beijinhos com Amor...da Li

    ResponderExcluir
  5. Prezada Vânia Diniz,
    Muito lindo o ensaio. Um descortinar da alma.
    Seu exemplo é, para nós, um farol em alto mar.
    Postarei no meu blog.
    Abraço,

    André Pullig

    ResponderExcluir

Você também poderá gostar de:
Ocorreu um erro neste gadget