segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Trivialidades


A Caneca




Hoje vou escrever sobre trivialidades, que será tema persistente desse blog e que são importantes na vida de cada um. Isso pertence ao meu blog “Ressurgindo”  ao qual prometi ser muito pessoal e transmitir minha vida de uma forma detalhista para que possa um dia deixar para minha família e amigos  e também mostrar aos meus eventuais leitores que todos nós temos as nossas manias, principalmente nascidas na infância.
Adoro pequenas coisas nem muito valiosas,  mas que constituem para mim um fetiche. Como escritora, mesmo que desconhecida, gosto de passar para o computador (como passava ante para o papel) minhas trivialidades que até ficaram só comigo, mas que hoje pretendo expor como direito de qualquer pessoa que escreve.
Ontem, entrando numa importadora com muitos objetos nacionais interessantes dei com uma caneca e minha velha mania acirrou o desejo de comprá-la.
Quando meu marido está me acompanhando nessas ocasiões ele tem a máxima paciência de esperar  mesmo porque já sabe que  não sairei sem comprá-la.
Para que vocês entendam gosto de tomar água o dia inteiro enquanto trabalho com uma caneca ao lado do computador. Só não pode ser sempre a mesma. Quando ponho os olhos em outra diferente compro-a logo e peço à minha boa secretária que a prepare para mim. E um dia volto novamente para as  que  deixei encostadas em outra época.
Na verdade só esse tipo de  coisas me induz a ser volúvel, porque sou absolutamente  “fiel” na minha vida. No caso das canecas tenho centenas delas e quando vi essa ontem em várias cores e com uma tampa de rosca lembrei-me de quando era bem pequena quando minha mãe comprou uma parecida para levar na  dita “lancheira” tão elegante onde era colocado meu lanche.
Gostava de comprar as comidas apetitosas do colégio, mas mesmo assim   a “medida provisória” decretada por minha mãe era que mesmo assim nós levássemos os lanches de casa. “Eram mais saudáveis”. Isso não impedia  as guloseimas depois.
Voltando à caneca habituei-me a tomar sempre em canecas escolhidas por mim tudo que fosse líquido. Desde os vinhos, ponches até os caldos quentes nas noites de inverno e água o dia inteiro.
Nunca esquecerei da primeira vez que minha mãe comprou uma caneca que muitas crianças daquela época deveriam ter que fechavam completamente formando uma roda, tão sofisticadas  mas que as freiras do meu colégio me impediram de oferecer a uma menina que era órfã, cuidada por elas e essa foi uma das decepções de minha vida. Proporcional à minha idade.
Chorei muito, mas não esqueci desse momento e acho que foi assim como lembrança da minha infância, que jamais esqueci esse momento da minha vida e até hoje sou apaixonada por canecas as mais diversas.

Trivialidade muito importantes que projetam um filme em minha cabeça e o encanto natural de certas fases de nossa trajetória.
Desculpem o tema tão trivial, mas muitos outros estarão aqui no meu blog “Ressurgindo”, que será uma fiel testemunho de minha vida.
Vânia Moreira Diniz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você também poderá gostar de:
Ocorreu um erro neste gadget