segunda-feira, 19 de março de 2012

Urgência

Vânia Moreira Diniz

Tenho urgência de escrever. Uma urgência angustiante. Preciso sempre escrever mais. Como se sem isso me faltasse oxigênio, ou não pudesse me perpetuar.

Quando era ainda garota minha mãe dizia, que eu parecia querer realizar tudo  rapidamente como se não existisse o amanhã.  E era mais ou menos isso. As mães se não concordam, pelo menos tem a percepção da alma do filho. E imagino que tenha sido isso que aconteceu com ela.

Atualmente continuo na mesma corrida contra o tempo e mais precisamente ultimamente, como se necessitasse concretizar todos os meus sonhos num passe de mágica. Num abrir rápido e profundo de olhos. No perpassar da borboleta azul e maravilhosa, a me indicar um caminho encantado e desconhecido. A mostrar uma paisagem já não tão familiar, mas igualmente aberta e maravilhosa. A me indicar simultaneamente dois sentidos no novo caminhar de luz e uma escuridão generosa contrastante e, no entanto poderosamente soberana.

Sinto urgência em derramar minha alma em flocos de poesia e fascinante ternura, e ser entendida nos menores sentimentos expulsos num momento de explosão inspirada e deliciosa. Urgência em divagar cada vez mais e com os olhos da emoção plena e verdadeira. Sentindo em cada expressão, minha alma que se deleita na esperança de todas as sensações. 

Principalmente sinto urgência de escrever muito e cada vez mais, o que couber no espaço do meu tempo, dissecar o ínfimo de cada sensação, transformando as lágrimas em sorrisos e espalhando o amor generoso nas palavras, dissertando sobre cada prazer sentido com volúpia e do amor experimentado como doce néctar. De misturar num só passo, alegrias e tristezas, choro e gargalhadas, transformando-os no viver contínuo e desejado.

Tenho urgência de espalhar as letras, formar palavras e transformá-las em esperança, vida, amor, sentimento, carícia, deleite, perdão, carinho  no paraíso inconsciente da nossa inusitada sensibilidade. Tenho pressa, muita pressa de escrever cada vez mais o que me desfila pelos olhos em devaneios, e o que se concentra no espírito, discreto e contrastantemente delirante.

Tenho uma urgência voraz de escrever  sempre mais, como se pudesse gozar nesse momento em eterno orgasmo a simbiose do corpo e alma entrelaçados em orgia literária. E conseguisse extrair deles a  seiva da  vida que se extingue lenta e caprichosamente sem ânsias ou tormentos porém progressivamente em intervalos cada vez mais curtos.

Preciso escrever, desejar, sentir, usufruir, ajudar, atender, socorrer, aspirar o ar e me aquecer ao sol, fechar os olhos brincando nas ondas espumentas e grossas, belas e inspiradoras. Preciso andar pela areia branca e sentir sua maciez, apreciar a natureza e amar cada vez mais.  Preciso escrever, preciso viver enquanto puder. Tenho urgência  de escrever  cada vez mais...
Vânia Moreira Diniz

9 comentários:

  1. Vânia Moreira Diniz minha ilustre Escritora amiga, que explendor teu tx. nesta urgência de consagração com o todo, bem qualquer palavras que diga sobre teu visceral tx. o diminuiria por este motivo colo aqui o ponto onde decolas, literalmente com meus agradecimentos pela grandiosidade de tua alma desnudada com talento incomparável. Parabéns amada abraços ,afetuoso tua virgínia fulber --

    "...No perpassar da borboleta azul e maravilhosa, a me indicar um caminho encantado e desconhecido. A mostrar uma paisagem já não tão familiar, mas igualmente aberta e maravilhosa. A me indicar simultaneamente dois sentidos no novo caminhar de luz e uma escuridão generosa contrastante e, no entanto poderosamente soberana.

    Sinto urgência em derramar minha alma em flocos de poesia e fascinante ternura, e ser entendida nos menores sentimentos expulsos num momento de explosão inspirada e deliciosa. Urgência em divagar cada vez mais e com os olhos da emoção plena e verdadeira. Sentindo em cada expressão, minha alma que se deleita na esperança de todas as sensações.

    Principalmente sinto urgência de escrever muito e cada vez mais, o que couber no espaço do meu tempo, dissecar o ínfimo de cada sensação, transformando as lágrimas em sorrisos e espalhando o amor generoso nas palavras, dissertando sobre cada prazer sentido com volúpia e do amor experimentado como doce néctar. De misturar num só passo, alegrias e tristezas, choro e gargalhadas, transformando-os no viver contínuo e desejado.

    Tenho urgência de espalhar as letras, formar palavras e transformá-las em esperança, vida, amor, sentimento, carícia, deleite, perdão, carinho no paraíso inconsciente da nossa inusitada sensibilidade. Tenho pressa, muita pressa de escrever cada vez mais o que me desfila pelos olhos em devaneios, e o que se concentra no espírito, discreto e contrastantemente delirante.

    Tenho uma urgência voraz de escrever sempre mais, como se pudesse gozar nesse momento em eterno orgasmo a simbiose do corpo e alma entrelaçados em orgia literária. E conseguisse extrair deles a seiva da vida que se extingue lenta e caprichosamente sem ânsias ou tormentos porém progressivamente em intervalos cada vez mais curtos.

    Preciso escrever, desejar, sentir, usufruir, ajudar, atender, socorrer, aspirar o ar e me aquecer ao sol, fechar os olhos brincando nas ondas espumentas e grossas, belas e inspiradoras. Preciso andar pela areia branca e sentir sua maciez, apreciar a natureza e amar cada vez mais. Preciso escrever, preciso viver enquanto puder. Tenho urgência de escrever cada vez mais...
    Vânia Moreira Diniz

    ResponderExcluir
  2. o texto e vc na foto são e estão lindos
    Ruth Castro

    ResponderExcluir
  3. Só poderia ser você a escrever este texto, mana! Ele é você, sua vida, seu amor pela literatura, a seiva que te alimenta. beijão e toda minha admiração.
    Cris

    ResponderExcluir
  4. Georgina Albuquerque21 de março de 2012 12:43

    "Preciso escrever, preciso viver enquanto puder. Tenho urgência de escrever cada vez mais..."..Vânia querida... Vc definiu em poucas palavras a fagulha do escritor. Bjo gde!!
    Georgina

    ResponderExcluir
  5. Belo texto, Vânia, e em se tratando de você, nunca nos surpeende o quesito excelência...Grande abraço!
    Clevane

    ResponderExcluir
  6. Lindo texto, linda foto! Parabéns!
    Nena

    ResponderExcluir
  7. Parabéns minha colega ! Sempre talentosa na arte das palavras...
    Carlos Ventura

    ResponderExcluir
  8. Leda Maria Vilaça21 de março de 2012 12:51

    Parabéns ! Você escreve sempre "coisas lindas".Adorei te conhecer.Bjs
    Leda

    ResponderExcluir
  9. Vânia querida
    Li seu texto com a mesma urgência e volúpia com que foi escrito. Quase me perco. Lindo, mil vezes, lindo!!!! Maizé

    ResponderExcluir

Você também poderá gostar de:
Ocorreu um erro neste gadget